logotipo

<< Retornar

Excertos do Zohar mostram a atualidade da obra judaica

Publicado em: 26/8/2012

Autor: Moacir Amâncio


Não são muito comuns as publicações destinadas à divulgação que têm o cuidado e a seriedade desta edição de excertos do grande compêndio místico judaico, O Zohar - O Livro do Esplendor (Zohar, em hebraico), feita pelo rabino sefardita (de origem hispano-portuguesa) Ariel Bension (1880-1932). Esta versão, a partir do inglês e do espanhol - o que é devidamente informado - traz, além de apresentações, explicações e glossário, um notável prefácio de Miguel de Unamuno, feito para a primeira edição castelhana, mais dois textos de Bentsion a respeito de suas intenções, da obra, sua história e o objetivo da empreitada.

Impressiona a largueza da visada desse rabino no terreno da mística e da religião judaica, à qual confere seu devido alcance universal, vencendo barreiras como as que vedaram o acesso feminino às fontes da cultura entre os povos. Um grande problema é sempre como encarar O Livro do Esplendor, obra central da Cabalá. Hoje, após os estudos textuais e históricos de Guershon Sholem (seus livros estão no catálogo da Perspectiva), considera-se praticamente provada a autoria da primeira parte da obra como sendo do rabino espanhol Moisés de León, que viveu no século 13, a partir do qual essas interpretações místicas da Bíblia Hebraica se tornaram conhecidas. As histórias, baseadas em certos fatos, de que o Moisés de León escreveu o Zohar (como a alegada confissão de sua viúva), contribuíram para lançar dúvidas sobre a honestidade do rabino, que passaria de homem santo a falsário.

Porque o Zohar é atribuído, em suas páginas, ao rabino Shimon ben Iohai, do início da era comum. Isso está superado, pois a pseudo-epigrafia é uma tradição que não invalida coisa nenhuma. [...] Esse conteúdo de universalidade é visto por Unamuno como uma mensagem da época em que foi escrito, remanescente do convívio entre a religião muçulmana, judaica e cristã na Ibéria medieval. O pensador viu no Zohar uma "religiosidade profundamente hispânica, ibérica".

Nele está presente, escreveu, "o cerne da fé de nosso povo, limpa de excrescências escolásticas e dogmáticas, ainda revestidas de cendais e véus e mantos de fantasia. Da fantasia dos que sonharam a vida da alma nesta nossa Espanha eterna, a dos três povos".


Fonte: O Estado de S. Paulo

Editora Incógnito
Caixa Postal 81 - Mogi das Cruzes/SP - CEP 08710-971
Telefone: (11) 9.9403-8626 (Seg. a Sex. das 09h às 18h)
É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site sem autorização por escrito da editora. © Copyright 2012 Editora Incógnito LTDA.
Intermol Internet